A União Europeia (UE) vai mobilizar 15 mil milhões de euros para ajudar países africanos e outros parceiros a ultrapassarem a crise gerada pela covid-19, visando “colmatar necessidades prementes” na saúde e na economia, foi hoje anunciado

“África deverá enfrentar, dentro de semanas, os mesmos problemas que estamos a ter na Europa e eles precisam da nossa ajuda para conter a propagação do vírus, da mesma forma que nós precisámos de ajuda nesta crise”, afirma a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, numa mensagem vídeo publicada esta tarde.

E anuncia: “É do nosso interesse garantir que este combate é bem-sucedido em todo o mundo e é por isso que a UE está a garantir mais de 15 mil milhões de euros para ajudar os nossos parceiros mundiais para lutar contra o novo coronavírus”.

Segundo a líder do executivo comunitário, esta ajuda financeira “pode ajudar a colmatar necessidades prementes no setor da saúde e também irá apoiar a economia nestes países, para manter as pessoas empregadas”.

Ursula von der Leyen, que estipulou como prioridade do seu mandato a cooperação da UE com África, deixa ainda garantias de que “mais dinheiro será mobilizado” para estes parceiros da UE, verbas que terão por base os orçamentos nacionais dos Estados-membros, “num verdadeiro espírito de equipa europeu”.

“Só vamos ganhar esta batalha com uma resposta global e coordenada e, por isso, temos de apoiar os nossos parceiros”, salienta a responsável.

Observando que “as coisas provavelmente ficarão piores antes de melhorarem”, Ursula von der Leyen adianta que “a UE está pronta para coordenar uma resposta internacional e forte à pandemia”.

“Nós podemos combater este vírus se nos mantivermos unidos e trabalharmos em conjunto”, conclui na mensagem.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 75 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 290 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com cerca de 708 mil infetados e mais de 55 mil mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos.

Em África, o número de mortes devido à covid-19 subiu para 487, num universo 10.075 casos registados em 52 países, de acordo com a mais recente atualização dos dados da pandemia no continente.

 De Revista Visão, 7 de Abril